1 1
Chuva causa estragos e prejudica produção de hortaliças

O excesso de chuva provocou muitos estragos em São Paulo. Em algumas regiões, num único dia choveu o que era previsto para todo o mês.

O excesso de chuva das últimas semanas está comprometendo a produção de hortaliças na região de Suzano, em São Paulo.

De longe, as hortaliças são bonitas e viçosas. Mas de perto é visível a queda na qualidade. A maioria dos pés não resistiu às chuvas dos últimos dias acompanhadas do sol forte.

“Fica de dois a três dias chovendo e com o tempo fechado. Então, as primeiras folhas da alface ficam sensíveis ao sol. Conforme o sol abre, a água que fica acumulada esquenta e queima o olho da alface”, explicou o agricultor Maurício Francisco da Silva.

Em algumas quadras da plantação é possível ver falhas nos canteiros. São os pés que foram arrancados.

O problema das chamadas murchadeiras, que é quando o talo apodrece, atingiu as verduras que estão prontas para a colheita. O jeito seria arrancar todos os pés e fazer uma nova plantação, mas a terra está encharcada.

Alguns produtores perderam parte das plantações bem na época da colheita, como aconteceu com seu Francisco. Outros agricultores não viram nem as mudas crescerem.

O agricultor Leandro Machado plantou cinco mil mudas de coentro há 30 dias. Pelos cálculos do produtor, já deveria começar a colher. Mas somente agora elas estão enraizando. A beterraba também foi outra hortaliça prejudicada. As folhas estão queimadas e ela deve ficar bem menor.

“Vou esperar um pouco para ver a reação deles. Caso veja que não vai compensar, eu vou tombar e plantar outras coisas. É o jeito”, falou Machado.

A chuva provocou transtornos em várias regiões de São Paulo. Na faixa leste, num único dia choveu a metade do previsto para o mês inteiro. No município de Sorocaba, o acumulado passou dos 75 milímetros. Em Avaré, foram setenta e três.

Na região centro-oeste do Estado, a chuva destruiu estradas e pontes. A água inundou casas e rompeu barragens.

O rio na entrada de Bofete transbordou. Três casas na zona rural ficaram debaixo da água. As famílias estão desabrigadas. “A gente tentou erguer roupa e colchão, mas não deu. Começou a cair tudo, a rodar tudo”, lamentou a dona de casa Clarice Inácio.

Um barco foi usado pelos moradores para salvar os bezerros. “Foi triste ver os bichos descerem. Foi horrível”, falou o trabalhador rural João Vicente da Silva.

A pastagem se transformou em uma lagoa. Bairros rurais do município ficaram isolados. Pontos estão comprometidas e crateras foram abertas nas estradas. “A gente tem um grande problema que é um município agrícola. Tem muito frango, muito gado, tem um pessoal que trabalha com leite e tem vários lugares praticamente intransitáveis”, disse Claudécio José Ebúrneo, prefeito de Bofete.

Estragos também são vistos em várias propriedades da zona rural de Cerqueira César. Barragens de contenção de três represas não agüentaram o volume e romperam. A água atingiu a vicinal que liga os municípios de Manduri a Águas de Santa Bárbara.

A força da correnteza foi tanta que a tubulação da rodovia não suportou a vazão e rompeu. Com isso, foi aberta uma cratera no meio da pista com mais de 30 metros de comprimento por três de profundidade.

A água chegou a Santa Cruz do Rio Pardo, a quase cem quilômetros da primeira barragem. O ribeirão São Domingos ficou quatro metros acima do nível normal e invadiu várias casas.

A terça-feira foi de muita chuva também em Minas Gerais e em boa parte das regiões Norte e Centro-Oeste.

No Rio Grande do Sul, subiu para 166 o número de municípios em situação de emergência por causa dos temporais. No sul do Estado, a cheia prejudica agricultores e pescadores.

Na ilha da Torotama, casas estão ilhadas e o excesso de água doce também prejudica a reprodução de peixes como a corvina e o bagre. A safra de camarão também está comprometida.

Além dos pescadores, os agricultores da cidade gaúcha de Rio Grande sofrem com a enchente da Lagoa dos Patos. O nível subiu cerca de um metro e plantações estão debaixo dá água.

Os prejuízos nas lavouras passam de 50%. O município decretou situação de emergência.

Acesse o link a seguir e confira a reportagem sobre o assunto: http://video.globo.com/Videos/Player/Noticias/0,,GIM1173193-7823-CHUVA+CAUSA+ESTRAGOS+EM+TODO+O+PAOS,00.html
 

Fonte: Globo Rural

Busca:
Revista ABCSEM
Fone/Fax: (19) 3243 6472
abcsem@abcsem.com.br
Av. Papa Pio XII, 847 sala 22 - Jardim Chapadão
Campinas - SP - CEP 13070-091
Horário de Funcionamento:
Segunda à sexta das 8h às 17:30h
A ABCSEM
Agenda
Associados
Informações do Setor
Legislação
Serviços
Parceiros
Sala de Imprensa
Notícias
Publicações
Associe-se
Contato
© 2021 - ABCSEM - Associação Brasileira do Comércio de Sementes e Mudas - webdesign - CG Propaganda